O medo que perturba o nosso olhar

Estava longe mas chegou depressa, neste mundo linear, de sensações imediatas e de consumo fácil. Mas a informação tolhe os nossos olhos e amarra o coração num sentimento de dúvida.

Estamos num momento de regresso ao básico: descobrir o que é mais importante, seleccionar entre as opções e em situação de reserva experimentarmos o que realmente importa: o amor dos nossos numa rede de partilha com os amigos. Como são necessários os amigos numa situação de aperto!

Não importa discutir política. É este o governo que temos, é este o presidente que temos, enfim, é este o Estado que temos, e nada disto vai mudar.

Mas pode mudar (e já mudou) a atitude da sociedade civil perante o imperativo ético de todos colaborarmos numa solução que, de facto, passa por nós. O recato é a atitude que já interiorizamos. E importa manter.

 

 

Deixe uma resposta

*