O Alentejo que chora e me envergonha

Como alentejana que sou, e que não nasceu em berço de ouro, nem sequer de prata, confesso que me sinto envergonhada pelos votos que a extrema-direita de André Ventura conseguiu no Alentejo.
Votos que se devem agradecer a uma juventude que não sofreu na pele o que outras gerações sofreram, recebendo de mão beijada os trunfos da luta dos que os precederam. Mas no meio da vergonha me ergo assim: desiludida, mas irreverente q.b.
Vamos lá jovens alentejanos da treta, que não são do tempo de ir para a escola com sapatos rotos, até de estômago vazio, mas desferindo um pontapé no estômago de quem não teve sequer direito ao pão que o diabo amassou, mas mesmo assim, na sua luta, vos entregou um mundo melhor, e como o receberam sem luta estão mal agradecidos.
Creio que para terminar só basta dizer a esses alentejanos da treta: o passado era bom, tão bom como comprovam as imagens que acompanham o meu quadro do “Homem que chora”. Um passado tão bom que a vossa extrema-direita tudo fará para o tornar futuro. E assim o meu “Homem que chora” nunca secará as lágrimas.
Leonor Fernandes, autora no Grupo Privado Sociedade Justa/Facebook

Todos querem uma sociedade justa. Nós lutamos por ela, Ajude-nos com a sua opinião. Se achar que merecemos o seu apoio ASSINE aqui a nossa publicação, decidindo o valor da sua contribuição anual.

Deixe uma resposta

*