Sociedade pós Covid: o que vai mudar?

Os planos de recuperação estão-se a multiplicar em todo o mundo para apoiar os participantes económicos na crise do coronavírus. Esse intervencionismo estatal pode durar ou é apenas um parêntesis? Vamos tentar perceber.

“O governo mobilizará todos os meios necessários para salvar vidas (…) Tudo será feito para proteger os nossos funcionários e nossos os negócios. Custe o que custar “, disse o presidente Macron solenemente no seu discurso aos franceses em 12 de março, e em Portugal o primeiro ministro Costa disse o mesmo: “proteger as pessoas e as empresas”

Na França e em todo o mundo, essa mobilização do Estado é (des) medida em biliões contundentes, em auxílio de agentes económicos. Paris anunciou um financiamento massivo para o desemprego parcial, o diferimento das despesas corporativas, a criação de um fundo para compensar os trabalhadores por conta própria.

O projecto de lei potencial eleva-se, nesta fase, a 45 biliões de euros, contra “apenas” 35 biliões, em dois anos, pela recuperação da França durante a crise de 2008. Sem mencionar possíveis nacionalizações e os 300 biliões garantia de empréstimos bancários.

Mais Estado, Menos Estado

Está esquecida, a tradicional vigilância orçamentária. Como os Estados Unidos acabaram de colocar US $ 2 triliões em cima da mesa, “os europeus estão tomando medidas comparáveis”, confirma Jean Pisani-Ferry, professor da Sciences-Po Paris e da Hertie School em Berlim. Já havíamos observado essa homogeneidade de respostas em 2008.

Esqueceu-se também de certas referências ideológicas. “Não faz muito tempo, os debates se concentraram numa redução do lugar do estado. Tornou-se regulador centralizador e único da economia “, analisa o economista Arthur Jurus.

Na realidade, Christian Saint-Étienne, professor do Conservatório Nacional de Artes e Ofícios, defende que “qualquer Estado que enfrenta uma crise veste o uniforme do bombeiro”.

Nesta fase, acrescenta Hervé Goulletquer, de La Banque Postale AM: “É menos uma questão de orientar a economia do que garantir que o tecido produtivo e social não rasgue demais enquanto aguarda o reinício”.

Esse intervencionismo movido pela urgência e extensão do choque será perpetuado, pois, lembra esse especialista, “a história económica é feita de movimentos de pêndulo entre a solicitação de mais Estado e a de menos Estado.E pergunta: A tendência para “menos estado”, sobre a qual a economia globalizada de hoje é construída, pode ser revertida? Ou a recuperação económica será acompanhada por um retorno clássico aos negócios, cada um encontrando seu lugar como pré-coronavírus, “privatizando os lucros” após “socializar as perdas”?

  A procura por um estado mais protector

O contexto exige um novo acordo. “Temos visto uma crescente insatisfação entre as pessoas nos últimos anos”, lembra Hervé Goulletquer, exigindo uma distribuição menos desigual da riqueza e um estado mais protetor e mais soberano. A crise de 2008 reforçou essa procura.  O coronavírus é, como outras crises, um acelerador na história. “As coisas já estavam no ar”, acrescenta Elie Cohen, diretora de pesquisa do CNRS, entre o aumento da preocupação ambiental, as reflexões sobre os limites da globalização após a vitória do Brexit, de Donald Trump, os coletes amarelos na França. …

A primeira mudança poderia ser a do aumento da procura por serviços públicos?

Evidentemente, a questão não se coloca da mesma forma nos Estados Unidos, onde o sistema de proteção social pouco desenvolvido será um dos desafios da campanha presidencial, na Europa ou mesmo na França – onde os gastos sociais sobem.

No entanto, analisa Jézabel Couppey-Soubeyran, palestrante em Paris I Sorbonne, “a crise do coronavírus possibilita perceber o quanto o Estado tem-se desmembrado nos últimos anos”. E isso, inclusivé na França, onde “o problema de saúde seria menor se não tivéssemos investido pouco em saúde, se tivéssemos hospitais de melhor tamanho, camas suficientes, respiradores … Também foi observado na Itália, o que explica em parte o alto número de mortes. ”

 A necessidade de um estado estratégico

É necessário um retorno do Estado, acrescenta Christian Saint-Etienne “, porque é decisivo em muitas áreas. Mas com a condição de se reinventar para se tornar um estado estratégico, com uma visão do futuro e administrando bem os seus recursos. Porque a desorganização dos hospitais não provém tanto da falta de recursos como de uma estrutura pobre do sistema.

A Alemanha possui 600 hospitais, comparados a 2.000 na França, mas o dobro de leitos de terapia intensiva – acrescenta.

Depois de anos gerindo os  seus suprimentos em mercados estrangeiros, em quase todas as áreas, os países europeus, em geral, descobriram subitamente a sua dependência do exterior “, a quem delegamos a produção de certos produtos fundamentais – especialmente medicamentos ”, diz Philippe Waechter, economista-chefe da Ostrum AM.

O coronavírus acaba por entalar uma máquina que até então parecia bem lubrificada. “O que essa pandemia revela”, disse Emmanuel Macron no seu discurso de 12 de março “, é que existem bens e serviços que devem ser colocados fora das leis do mercado. Delegar aos outros nossa comida (…), nossa capacidade de cuidar (…), é loucura. Devemos recuperar o controlo, construir ainda mais uma França, uma Europa soberana, (…) que firmemente seguram o seu destino (…). Os próximos meses exigirão novas  decisões  nesse sentido. “

 Regionalizar ainda mais as produções. Isso passará pelo retorno de certas produções em solo nacional ou europeu?

É uma certeza, responde Elie Cohen: “Precisamos rever as cadeias de valor, hoje globais, e decidir o que queremos realocar … Para medicamentos, as autoridades públicas podem exigir aos laboratórios um certo nível de produção na Europa.

Christian Saint-Étienne acrescenta: “O estado não deve produzir, mas regular. Já impõe aos petroleiros um stock estratégico de 3 meses. No entanto, exercer essa pressão não será fácil, alerta Philippe Waechter, segundo a qual “será difícil desviar as empresas de um mercado asiático, onde o crescimento é de 6% contra 1% na Europa antes da crise. “Especialmente se permanecermos num sistema aberto e globalizado.

Além disso, “hoje essas cadeias de valor estão extremamente entrelaçadas”, diz Sébastien Jean, do Cepii. Mas, percebendo os riscos que haviam subestimado anteriormente, as empresas poderiam regionalizar ainda mais a sua produção.

“Anaïs Voy-Gillis, da June Partners, pergunta-se:” depois de vinte anos de desindustrialização, o nosso país terá agilidade, capacidade humana e técnica para fabricar certos produtos novamente? “Diante desses desafios, os Estados não podem agir isoladamente. “A resposta deve vir da Europa, a principal potência económica do mundo”, enfatiza Anaïs Voy-Gillis.

A introdução de um imposto sobre o carbono, a luta contra o dumping de certos parceiros, o apoio à inovação … são alavancas reais. “Mas também acrescenta Christian Saint-Étienne”, reveja o quadro orçamentário europeu, as regras da concorrência … Ainda assim, os líderes devem ter vontade política. ”

Um modelo mais ecológico

E se os estados se aproveitassem disso para acelerar a transição para um modelo económico mais ecológico ? “Podemos esperar que sim”, diz Philippe Waechter, também com “a necessidade de políticas mais radicais ou proactivas para conseguir isso”. Algumas vozes já estão a afirmar que a ajuda aos sectores é acompanhada, principalmente no sector aéreo, por compensações ambientais (padrões de poluição mais rigorosos etc.). Outros estão a pedir investimentos públicos para a transição energética, apoiados pelo Banco Central Europeu.

“Tudo vai depender da recuperação da economia, que mobilizará muito o estado”, responde Anaïs Voy-Gillis, sem esquecer o retorno das restrições orçamentárias. ”

Mas fiquemo-nos com o desabafo de  Emmanuel Macron,  que, por sua vez, quer ser determinado: “Muitas coisas que pensávamos impossíveis acontecem (…) No dia seguinte, quando vencermos, não haverá retorno ao dia anterior”.

Podemos assim começar a falar da sociedade pós-Covid: os primeiros passos estão dados.

Deixe uma resposta

*